Facebook

O legado do Nike Breaking2 para o desenvolvimento das corridas de rua – Ativo

Google+ Pinterest LinkedIn Tumblr +

Causou uma verdadeira comoção nas redes sociais o anúncio no início de 2017 que a Nike estava bancando um projeto chamado Breaking2, que visava a quebra da barreira das 2 horas na distância da maratona em ambiente controlado.

Três atletas africanos foram escolhidos pela marca norte-americana para tentar o feito no Autódromo de Monza na Itália: Eliud Kipchoge (Quênia), Zersenay Tadese (Eritreia) e Lelisa Desisa (Etíopia). E por muito pouco Kipchoge não atingiu a marca, concluindo o desafio em 2h00min25s. Muito pouco mesmo: menos de um segundo por quilômetro.

Independentemente do aspecto esportivo, se o ambiente é controlado ou não, o Breaking2 diferente de muita troça que li, inclusive de jornalistas especializados em corridas de rua, foi muito positivo.

Leia mais

Como Kipchoge pretende quebrar a barreira das 2h na maratona

Breaking2: assista ao documentário!

Documentário Breaking2 enfatiza lado humano do feito

Um projeto como esse demanda anos para se concretizar – no caso especifico, foram três anos de investimentos na casa de milhões de dólares, exaustivos estudos fisiológicos, clínicos, de pista, de pesquisa e desenvolvimento de produto. Enfim, mais do que uma simples jogada de marketing, foi um grande fomento ao esporte.

Obviamente, o grande objetivo da Nike é vender muitos produtos e quanto mais melhor, o que é legítimo. Além da quebra da barreira das 2 horas em si, outro fator que causou desconfiança no Brasil em certos setores especializados foi o benefício prometido pelo modelo carro-chefe do projeto, o Nike Zoom Vaporfly 4%. O nome do tênis sugeria e um comunicado da empresa à época prometia: “corredores 4% mais eficientes em comparação com o tênis de maratona anterior mais rápido da Nike”.

Se fica ou não 4% mais rápido, é subjetivo, mas a realidade mostrou que todos os recordes que vieram depois do Breaking2, seja dos 10k, 21k ou 42km – esse último obtido por Kipchoge na Maratona de Berlim 2018, esmagando o recorde anterior ao cravar 2h01min39s -, foram a bordo de modelos desenvolvidos a partir do Vaporfly 4% Elite.

Neste sábado haverá um nova tentativa da quebra da barreiras das 2 horas, o Ineos 1:59, novamente com Eliud Kipchoge como protagonista.

Como se vê, mais do que marketing, projetos como o Breaking 2 fomentam o desenvolvimento da modalidade corrida, elevando seu patamar a um novo nível.

Assim como no Breaking 2, acredito na quebra da barreira das 2 horas, agora com chancela Ineos e a bordo de um Nike.

Fonte Oficial: Ativo.

Os textos, informações e opiniões publicados neste espaço são de total responsabilidade do(a) autor(a). Logo, não correspondem, necessariamente, ao ponto de vista do Portal Corrida.

Comentários

Compartilhar:

Quer fazer parte de nosso grupo?

Inscreva-se em nossa newsletter!